Crédito Consolidado

Requisitos do crédito consolidado: saiba se é elegível

requisitos do crédito consolidado
: o Portal do Crédito não publica artigos patrocinados. O nosso conteúdo é independente e não favorece nenhuma entidade em particular.

Como funciona, na prática, a consolidação de créditos? Quais são os requisitos do crédito consolidado? Que instituições em Portugal permitem juntar créditos? Quais as vantagens e, sobretudo, as desvantagens? É mesmo possível baixar a taxa de juro? Como escolher o melhor crédito consolidado?


Comparador de Crédito

Simule sem compromissos e conheça a melhor solução de crédito para o seu pedido.

SIMULAR AGORA

O crédito consolidado é uma solução financeira que, dependendo dos casos, lhe permite poupar centenas de euros ao final do mês.

Isto porque ao agregar todas as suas prestações com créditos numa só, num prazo de pagamento mais alargado, passa a ter um único credor, poupando em comissões e poderá ver reduzida a taxa de juro média, sobretudo se tiver vários créditos de curto prazo.

Caderno de requisitos do crédito consolidado

Antes de mais, importa estar a par dos requisitos do crédito consolidado, sobretudo se está a pensar recorrer a um banco para contratar esta solução.

As entidades bancárias exigem garantias do retorno do dinheiro emprestado e, por isso, têm regras bem mais apertadas do que outras instituições financeiras existentes no mercado.

Assim sendo, estes são, então, os requisitos do crédito consolidado:

1. Não pode ter prestações dos seus créditos em atraso. O ideal é regularizar primeiro as suas dívidas antes de falar com o banco sobre consolidação de créditos. Caso não consiga pagar as prestações em atraso, o melhor é tentar renegociar a dívida.

2.O seu nome não pode constar da “lista negra” do Banco de Portugal. Ou seja, não é possível juntar créditos se, por exemplo, já se encontra numa situação de incumprimento. Se tem o “nome sujo” no Banco de Portugal, esta solução está definitivamente fora de questão.

3. A idade máxima para solicitar consolidação de créditos é 75 anos.

4. Para negociar a consolidação de créditos é necessário ter um fiador ou dar uma garantia ao banco – como por exemplo, hipotecar a sua casa.

5. O ideal é ter um emprego estável e um historial de cliente de confiança. Caso esteja desempregado, numa situação de emprego precário ou se for considerado um cliente de risco, é provável que o banco recuse o seu pedido.

Como funciona o crédito consolidado

Se o seu perfil de cliente lhe permite preencher todos os requisitos do crédito consolidado, importa agora perceber como é que esta solução funciona.

Vamos considerar que, além do crédito habitação, (que, em algumas instituições, não está incluído no crédito consolidado), está a pagar crédito automóvel, cartões de crédito ou mesmo um crédito pessoal e começa a perceber que o que ganha é manifestamente insuficiente para fazer face a tantas despesas.

Se esta situação lhe soa familiar, a consolidação de créditos é, sem dúvida alguma, uma opção a considerar.

Porque é que há-de estar a desembolsar tanto dinheiro por mês, se pode pagar uma única prestação mensal mais baixa? Com o dinheiro que poupa ao recorrer a esta solução financeira, poderá constituir uma poupança (para, eventualmente, amortizar o crédito), investir na sua formação ou até na qualidade de vida da sua família.

No fundo, o crédito consolidado permite-lhe criar uma almofada financeira mensal que pode gerir como bem entender. Em termos processuais o que acontece na prática é que a instituição financeira à qual pede um crédito consolidado compra todas as suas dívidas aos credores, cobrando-lhe depois a si o pagamento integral (com juros) do montante em dívida.

crédito consolidado

Como é que a consolidação de créditos vai, na prática, diminuir o valor a pagar por mês?

Imagine que os créditos que contraiu têm, em média, um prazo de pagamento de 48 meses. O que vai fazer é contratar um crédito consolidado com um prazo mais alargado (por exemplo, a 84 meses).

Assim, apesar de ficar a pagar o empréstimo durante mais tempo, também vai pagar menos por mês.

Porém, importa perceber que o crédito consolidado não se reduz ao alargamento do prazo de pagamento do crédito. Há outros fatores – incluindo o facto de pagar taxas de juro mais baixas sobre o empréstimo – que o tornam a solução certa para reorganizar as suas finanças pessoais. Chamemo-lhes vantagens.

As vantagens de juntar créditos

Poupança mensal nas prestações

Ao recorrer ao crédito consolidado aquilo que procura é uma situação em que todas as suas prestações mensais fiquem agregadas numa só. Claro que tal só vale a pena se a nova mensalidade tiver um valor inferior ao somatório de todas as outras.

A consolidação permite o alargamento do prazo de pagamento do empréstimo e ficar a pagar uma menor taxa de juro. Porém, convém ter consciência de que o custo total do crédito será maior, mesmo que no final do mês a prestação seja consideravelmente menor – uma vez que a redução poderá permitir-lhe uma poupança de até 60% relativamente ao valor que paga com a dispersão de créditos.

Ter uma única prestação num dia fixo do mês

Ter várias prestações dispersas por diversos dias do mês poderá ser um fator decisivo para a total falta de controlo da sua conta bancária.

Se juntar créditos num só fica a pagar apenas uma prestação num dia fixo, o que poderá contribuir para uma melhor organização das suas finanças pessoais.

Taxas de juro atrativas

De um modo geral, as taxas de juro deste tipo de crédito são mais baixas que as de crédito ao consumo. Este é um dos fatores que permite uma poupança tão grande.

Ter um único credor e poupar em comissões

Os custos avultados com comissões são outro dos encargos dos quais se verá livre quando consolida créditos. Isto porque, com a dispersão de créditos, está a pagar várias comissões bancárias por manter várias contas separadas nos bancos onde contraiu crédito.

Acesso a mais financiamento

Ao recorrer a um crédito consolidado tem sempre a possibilidade de solicitar uma liquidez adicional para, por exemplo, fazer face a outras despesas. Contudo, é fundamental que consiga gerir com cautela esta possibilidade.

Aprovação rápida e simples

Embora seja um produto com relativa complexidade, quando mediado corretamente, pode ver o seu crédito consolidado aprovado em 48 horas.

Mais qualidade de vida e organização orçamental

Se decidir recorrer ao crédito consolidado, conseguirá poupar muito dinheiro ao final do mês. Isto permitir-lhe-á viver de forma mais confortável, com as finanças mais controladas para lidar com despesas inesperadas e sem tantas preocupações e dores de cabeça.

E quais são as desvantagens da consolidação?

Aumento do prazo de pagamento

Apesar das prestações serem mais baixas, o prazo de pagamento do crédito consolidado é normalmente superior. Não quer dizer que no fim vai pagar mais por este tipo de crédito, até porque as taxas de juro são mais baixas, no entanto é comum prolongar-se o prazo.

Total de juros

Se o seu crédito consolidado não for mediado da forma correta, com o aumento do prazo, pode vir a pagar um valor total superior ao que iria pagar caso não fizesse um crédito consolidado.

Acesso restrito

Tal como referido acima, se o nome constar na lista negra do Banco de Portugal, será difícil ver o seu crédito consolidado aprovado. Se tem problemas bancários, descubra como poderá conseguir crédito consolidado.

crédito consolidado cofidis

Que instituições em Portugal permitem juntar créditos?

Além das entidades bancárias, também há um conjunto de instituições financeiras (registadas no Banco de Portugal) que lhe permitem a consolidação de créditos. Partners, Cofidis, Cetelem, Unibanco são algumas delas.

Vamos, por exemplo, simular uma proposta de crédito consolidado na Cofidis:

No momento, a sua despesa mensal com créditos é a seguinte:

  • Crédito automóvel: 250€
  • Crédito pessoal: 200€
  • Cartões de crédito: 150€

Total das mensalidades: 600€

Montante total em dívida: 20.000€

Partindo do princípio que estes créditos têm, em média, um prazo de pagamento de 48 meses, ao agregar estes créditos num só ficará a pagar uma mensalidade menor, mas por um período mais longo (por exemplo, a 84 meses).

Ao optar pelo crédito consolidado da Cofidis, passaria, então, a pagar uma única mensalidade de 394,57€ (TAN 11,30% e TAEG 13,4%). Ou seja, face aos 600€ iniciais, trata-se de uma redução de 249,59€ por mês.

Neste caso, a consolidação de créditos reduziria em 58,4% o valor mensal do seu orçamento destinado aos créditos.


Na Cetelem (para o mesmo montante em dívida):

Tendo em consideração o mesmo cenário, passaria a pagar uma única mensalidade de 388,03€ (TAN 10,81% e TAEG 12,7%). Ou seja, face aos 600€ iniciais, trata-se de uma redução de 255,02€ por mês.


No Unibanco (para o mesmo montante em dívida):

Para o mesmo cenário, passaria a pagar uma única mensalidade de 353,73€ (TAN 11,60% e TAEG 13,6%). Ou seja, face aos 600€ iniciais, trata-se de uma redução de 246,27€ por mês.

Feitas as contas, já imagina o que poderia fazer com este dinheiro ao final do mês. Vai fazer a tal pós-graduação? Ou sempre vai realizar o sonho de aumentar a família?

Como escolher a melhor proposta?

Como sugerimos sempre, para garantir que tem acesso às melhores condições de crédito, faça simulações online. Através do nosso simulador de crédito poderá comparar todas as opções disponíveis no mercado, de forma totalmente gratuita e sem compromisso.

Quando o fizer, esteja particularmente atento à TAEG (Taxa Anual Efetiva Global), uma vez que esta taxa inclui todos os custos do crédito, nomeadamente:

  • Os juros;
  • As comissões;
  • Os impostos;
  • Os seguros exigidos para obtenção do crédito;
  • A comissão de manutenção de conta à ordem, no caso de a abertura ser obrigatória para a gestão do empréstimo;
  • Os custos com operações de pagamento e de utilização do crédito, caso existam;
  • Outros encargos associados ao contrato de crédito.

Para escolher o melhor crédito consolidado, ou a proposta que melhor se adequa às suas necessidades, deve ainda ter em atenção se a instituição engloba ou não os custos iniciais do crédito no montante financiado.

Este é um fator particularmente importante para quem já se encontra numa situação financeira limite e não dispõe de capitais para suportar os encargos associados à contratualização de um crédito consolidado.

Que tipo de créditos pode consolidar?

Por norma, os créditos que pode consolidar são os créditos pessoais ou créditos ao consumo (carro, férias, mobiliário, eletrodomésticos, tecnologia, obras, etc.) e créditos contraídos através de cartões de crédito e linhas de crédito.

Porém, há entidades bancárias que, na consolidação, permitem incluir o crédito habitação.

Quais os passos a seguir para aceder ao crédito consolidado?

Voltamos a frisar que para aceder à consolidação de créditos, terá primeiro de verificar se está em condições de preencher os requisitos do crédito consolidado. Depois disso, o processo é o seguinte:

1. A primeira coisa a fazer é aceder ao site do Banco de Portugal e, com os seus dados de acesso ao Portal das Finanças, consultar o seu Mapa de Responsabilidades de Crédito.

2. Neste mapa encontrará a informação detalhada sobre todos os créditos em seu nome, o valor que falta liquidar e as respectivas datas de liquidação.

3. Depois de saber o valor total dos seus créditos, faça o máximo de simulações de crédito consolidado.

4. Use o valor total do crédito que necessita para pagar os seus créditos atuais.

5. Preencha todos os dados no simulador de crédito – valor, prazo e características do crédito consolidado. De seguida, submeta o seu pedido de contacto. Se preferir, pode tratar do processo pessoalmente com o seu gestor de conta (isto no caso de preferir recorrer a uma entidade bancária para contratar o crédito consolidado).

Quais os documentos necessários para dar início ao processo de consolidação?

Para dar início ao seu processo de consolidação de créditos, precisará dos seguintes documentos:

  • Documento de identificação;
  • Comprovativo de morada;
  • Comprovativo IBAN nominativo de um dos titulares do contrato;
  • Os 3 últimos recibos de vencimento/ Comprovativo de pensão;
  • Última declaração de IRS;
  • Nota de liquidação do IRS;
  • Mapa de Responsabilidades do Banco de Portugal.

Dicas para utilizar a poupança que conseguiu com a consolidação

Agora que já está a pagar bem menos do que pagava com prestações de crédito, deixamos-lhe algumas dicas para aplicar as poupanças conseguidas com crédito consolidado de forma responsável:

  • Crie um fundo de emergência para um eventual imprevisto;
  • Comece a fazer planos para amortizar o crédito;
  • Invista num seguro de saúde;
  • E na sua formação para, assim, ter mais perspectivas de carreira;
  • Procure fundos de investimento sem (grande) risco;
  • Invista em momentos de lazer de qualidade com a sua família;
  • Ou faça a sua viagem de sonho.

Artigos relacionados

Se tiver alguma dúvida ou questão, fale connosco pelo Messenger