Guia do Crédito

Taxa de esforço: o que é, o que fazer para reduzir (e calculadora online)

taxa de esforço
: o Portal do Crédito não publica artigos patrocinados. O nosso conteúdo é independente e não favorece nenhuma entidade em particular.

A taxa de esforço é um indicador utilizado pelas entidades às quais pede crédito para avaliarem o risco de lhe emprestarem dinheiro. Quanto maior for o valor desta taxa, maior será o risco da instituição de crédito.


Comparador de Crédito

Simule sem compromissos e conheça a melhor solução de crédito para o seu pedido.

SIMULAR AGORA

Neste sentido, o que deve ter em mente é que terá maior probabilidade de ver os seus créditos aprovados caso possua um valor baixo a moderado desta taxa. E explicamos porquê.

O que é a taxa de esforço?

Uma das razões pelas quais as instituições de crédito lhe pedem cópias dos recibos de vencimento e comprovativos de IRS deve-se precisamente à taxa de esforço. Ou melhor, estes documentos são fundamentais para se proceder ao cálculo desta taxa.

Através destes documentos, as instituições terão acesso ao seu perfil de consumo – aos seus ganhos e gastos mensais -, avaliando a partir daqui o peso que um crédito (ou mais um crédito) terá no seu orçamento.

Isto porque, na sua generalidade, a taxa de esforço corresponde à percentagem do rendimento total do agregado familiar destinada ao pagamento das prestações de créditos.

Partilhamos dois exemplos para esclarecer melhor o que representa a taxa de esforço:

Exemplo 1: se ganha 1000€ e paga 1000€ de prestações financeiras, tem um esforço de 100%. O que significa que não tem margem de manobra, tudo o que ganha é absorvido pelas obrigações.

Exemplo 2: se ganha 1000€ e paga 300€ em prestações, tem um esforço de 30%, ou seja, 30% do seu vencimento é alocado a obrigações.

Taxa de esforço simples e corrigida: quais as diferenças?

Apesar de se falar na taxa de esforço como um conceito que tem uma única definição, importa saber que, antes de lhe aprovarem o crédito, as instituições de crédito terão em consideração a abordagem corrigida da sua taxa de esforço.

Em palavras simples, vão incluir no cálculo da taxa o rendimento que tem disponível para fazer face a despesas fixas, tal como gastos com água, luz, gás, entre outros.

Deste modo, terão uma visão mais precisa sobre o risco. Mas passamos a explicar ao detalhe cada uma das abordagens.

calcular a taxa de esforço

Abordagem simples

A taxa de esforço simples é um indicador calculado diretamente através da seguinte fórmula:

Total de Prestações Financeiras / Rendimento do Agregado Familiar * 100

Depreende-se a partir daqui que a abordagem simples tem apenas em consideração os seus encargos com créditos.

Abordagem corrigida

Como referimos, apesar de se falar mais frequentemente na abordagem simples, a que os credores vão ter em consideração quando analisam o seu pedido de crédito é a taxa de esforço corrigida.

Neste indicador, para além das prestações mensais financeiras, também se incluem os custos com despesas do dia a dia, tais como:

  • Despesas com água, luz, gás;
  • Despesas com filhos (entre outros).

Ao incluírem-se estas despesas, a taxa de esforço corrigida será sempre superior à simples (a menos que não tenha qualquer tipo de despesa, o que é incomum).

Assim, e voltando ao exemplo 2 apontado acima, “corrigimos”, então, o valor da taxa de esforço:

Exemplo 3: se ganha 1000€, paga 300€ em prestações e tem outras despesas fixas mensais de 200€, então a sua taxa corrigida é de 50% (500€ / 1000€ x 100).

Até que valor da taxa se aprovam créditos?

As boas práticas indicam que a taxa de esforço simples, não deverá ser superior a 30%, sendo que alguns bancos podem aceitar perfis até 40%.

Ao contrário dos bancos, há entidades financeiras privadas que aceitam pedidos de crédito a pessoas com taxas de esforço corrigidas até 75% – um valor francamente elevado para qualquer orçamento familiar.

Por essa razão, antes de contratar mais um crédito, avalie bem a sua taxa de esforço e informe-se sobre as alternativas disponíveis para baixar esta taxa.

Não será demais recordar que, se permitir que esta taxa seja cada vez mais elevada arrisca-se a enfrentar uma situação de sobreendividamento, pois, mais cedo ou mais tarde, deixará de ter liquidez disponível para cumprir com as suas obrigações. E que alternativas são essas?

Tem uma taxa de esforço elevada? O que fazer para a reduzir?

Vamos considerar que, por necessidade, contraiu um crédito automóvel, um crédito pessoal para fazer obras em casa e lida com as despesas do dia a dia recorrendo a cartões de crédito. Neste cenário, a sua taxa de esforço simples é de 55%, ou seja, uma taxa de esforço considerada muito elevada.

Para reduzir este esforço e ter mais liquidez mensal, o crédito consolidado é uma alternativa a explorar. A consolidação permite juntar todos os seus créditos num só e ficar a pagar uma prestação mensal inferior ao somatório daquelas que paga atualmente.

Ao reduzir a mensalidade, reduz automaticamente a sua taxa de esforço – o que lhe garante uma margem de poupança mensal bastante significativa.

O crédito consolidado tem contrapartidas? Tem, sobretudo porque o prazo de pagamento do crédito é prolongado no tempo (razão pela qual a mensalidade é mais baixa), mas, por outro lado, é um bom instrumento financeiro não só para equilibrar as suas finanças pessoais, mas também para evitar situações de derrapagem financeira – cujas consequências podem ser prejudiciais para a sua vida e para a dos seus.

Como sugerimos sempre, para garantir que tem acesso às melhores condições de crédito, faça simulações online. Através do nosso simulador de crédito poderá comparar todas as opções disponíveis no mercado, de forma totalmente gratuita e sem compromisso.

Calculadora online da taxa de esforço

O conselho do Portal do Crédito

Se está a pensar contratar mais um crédito, aconselhamo-lo a avaliar bem a taxa de esforço corrigida, até para saber com que dinheiro pode contar ao final do mês para todas as outras despesas mensais (alimentação, transportes, educação dos filhos, entre outras). Isto é, é preciso ter bem presente o que sobra após os encargos com créditos.

Além disso, não descure as simulações, até porque o que quer é o crédito mais barato. Faça uso do nosso simulador de crédito sem compromissos e descubra qual o crédito pessoal, consolidado ou habitação mais vantajoso para si.

Artigos relacionados

Se tiver alguma dúvida ou questão, fale connosco pelo Messenger
Viviane Soares
Viviane Soares é redatora e editora, com mais de três anos de experiência na escrita de artigos de finanças pessoais. No Portal do Crédito, tem como principal objetivo disponibilizar a melhor informação sobre financiamento, de forma prática e acessível.