Crédito Pessoal

Crédito universitário: como funciona e principais vantagens

crédito universitário
: o Portal do Crédito não publica artigos patrocinados. O nosso conteúdo é independente e não favorece nenhuma entidade em particular.

Para quem não tem uma rede familiar que ajude a suportar as despesas de um curso superior – e cujos rendimentos não lhe permitem ser elegível a uma bolsa de estudo -, o crédito universitário pode ser a solução de que precisa para continuar a investir na sua formação.


Simulador de Crédito

Simule sem compromissos e conheça a melhor solução de crédito para o seu pedido.

» SIMULAR AGORA

A este respeito pode optar pelo crédito bancário – um crédito pessoal com a finalidade específica de educação ou formação – ou pedir uma linha de crédito com garantia mútua afiançada pelo Estado.

Ambas as soluções são vantajosas, não só em termos do pagamento de taxas mais reduzidas, mas também na forma de pagamento do crédito à entidade credora. Explicamos ao detalhe cada uma das opções.

Crédito universitário: as vantagens desta solução para financiar os estudos

1. Crédito pessoal com finalidade de educação e formação

Seja para financiar um curso de especialização tecnológica, uma licenciatura, mestrado ou doutoramento, o crédito bancário é uma solução para fazer face aos encargos associados a um curso superior (isto é, propinas, livros, material escolar, alojamento, entre outras despesas).

Portanto, se vai iniciar ou prolongar a sua formação superior – ou mesmo se pondera voltar a estudar – estas são algumas das vantagens associadas ao crédito universitário:

  • Taxas de juro mais reduzidas quando comparadas com outros créditos especializados;
  • Possibilidade de não pagar quaisquer prestações mensais durante os estudos, começando a reembolsar o empréstimo após o término do curso;
  • Em alguns casos, é possível ver reduzidas as taxas de juro, caso o estudante tenha um excelente aproveitamento escolar;
  • Possibilidade de escolher diversas formas de pagamento (que variam consoante o tipo de curso): prestações mensais, trimestrais ou até a liquidação do financiamento apenas no final dos estudos.

Ainda assim, importa não esquecer que um crédito é um contrato que estabelece com uma entidade bancária. Isto é, independentemente das condições vantajosas que lhe são oferecidas – nomeadamente o período de carência (em que só fica a pagar juros) para amortização de capital – esta é uma conta que terá, mais cedo ou mais tarde, de ser paga.

Requisitos para aceder ao financiamento

Apesar de os requisitos variarem consoante a instituição financeira, estes são, por norma, os exigidos:

  • Ser maior de idade;
  • Estar inscrito numa Universidade ou Politécnico, público ou privado, nacional ou internacional;
  • Não constar da lista negra do Banco de Portugal;
  • Caso o crédito universitário tenha a possibilidade de redução das taxas de juro de acordo com as notas obtidas pelo estudante, é necessário o comprovativo desses mesmos resultados.

Cuidados a ter

Voltando ao período de carência de capital, é tanto uma vantagem como uma desvantagem. Quer isto dizer, que nos primeiros anos do crédito, como pagará só juros, as prestações mensais são mais reduzidas. Porém, como está a adiar a amortização do capital, a conta dos juros no final do contrato vai aumentar consideravelmente.

Por esta razão, aconselhamo-lo a analisar detalhadamente as propostas de crédito universitário que lhe forem apresentadas e certificar-se de que está a escolher o crédito mais barato.

Não descure a este propósito as simulações e tenha sempre debaixo de olho a Taxa Anual Efetiva Global (TAEG) (deve escolher a mais baixa) e o Montante Total Imputado ao Consumidor (MTIC).

Para não perder tempo a pesquisar em diversas plataformas, usufrua do nosso simulador de crédito – que visa identificar a entidade com as melhores condições de crédito para si, de acordo com as suas necessidades e características do seu perfil. Tem acesso, em tempo real, às taxas de juro e condições das várias entidades de financiamento em Portugal.

Vantagens do crédito universitário

2. Linha de crédito com garantia mútua

No ano letivo 2018/2019, voltou a ser possível aos alunos do ensino superior pedir empréstimos para estudar tendo o Estado como fiador – mecanismo que estava suspenso desde 2015.

Este sistema – designado por Sistema de Empréstimos com Garantia Mútua – está disponível para estudantes do ensino superior público ou privado, e apresenta condições vantajosas face às outras opções do mercado.

A primeira é logo o facto de ser afiançada pelo Estado, solução particularmente interessante para quem não tem como dar garantias ao banco em contrapartida ao crédito.

Este tipo de crédito universitário pode ser solicitado por qualquer estudante do ensino superior, sendo que o empréstimo pode ter um montante máximo de 30 mil euros, mas nunca pode ultrapassar os 5 mil euros por ano.

Além disso, os estudantes podem pedir um período de carência de capital de, no máximo, dois anos, antes de começarem a reembolsar a banca. Ou seja, durante este período ficam a pagar apenas os juros referentes ao crédito. Já o período de amortização é, no máximo, de 10 anos.

A taxa de juro que é aplicada pelos bancos a estes créditos é calculada a partir de uma taxa swap da Euribor, acrescida de um spread máximo de 1,25%. E os estudantes que beneficiem de bolsa de ação social têm um desconto de 0,25%.

Em Portugal, e para já, o único banco que oferece esta linha de crédito é o Millenium BCP.

Artigos relacionados

Se tiver alguma dúvida ou questão, fale connosco pelo Messenger
Viviane Soares
Viviane Soares é redatora e editora, com mais de três anos de experiência na escrita de artigos de finanças pessoais. No Portal do Crédito, tem como principal objetivo disponibilizar a melhor informação sobre financiamento, de forma prática e acessível.