Crédito Consolidado

Qual o melhor banco para consolidar créditos? Explicamos tudo

melhor banco para consolidar créditos
: o Portal do Crédito não publica artigos patrocinados. O nosso conteúdo é independente e não favorece nenhuma entidade em particular.

O crédito consolidado é uma solução financeira que lhe permite juntar vários créditos num só. Porque é que o deveria fazer, perguntará. A resposta é simples: ter mais dinheiro ao final do mês. Qual o melhor banco para consolidar créditos? Como é que funciona? Quais as vantagens e desvantagens? Qual é a margem de rendimento que lhe permite ter por mês?  Vamos esclarecer estas dúvidas.


Comparador de Crédito

Simule sem compromissos e conheça a melhor solução de crédito para o seu pedido.

SIMULAR AGORA

O que é (efetivamente) o crédito consolidado?

Vamos partir do princípio que está a pagar um crédito pessoal, um crédito automóvel e cartões de crédito. Como o seu salário não aumentou, começa a perceber que o dinheiro que ganha destina-se, essencialmente, a cobrir as despesas domésticas, a renda e as despesas associadas aos créditos.

Ou seja, faz muita ginástica financeira para que o salário “estique” até ao final do mês, sendo que não tem qualquer margem de manobra para fazer uma poupança ou para fazer face a um qualquer imprevisto financeiro (e nem sequer vamos aqui discutir a possibilidade de não ter como investir na sua qualidade de vida ou na da sua família).

Por exemplo, se o carro avariar, se tiver uma emergência em termos de saúde ou se o seu filho precisar de um computador novo, provavelmente recorreria (mais uma vez) ao cartão de crédito ou talvez começasse a pensar em contrair novo crédito pessoal.

crédito consolidado

Como é que a consolidação vai aliviar as despesas com créditos?

Neste cenário, ao agregar todas as suas mensalidades numa só (que é inferior ao somatório de todas as prestações individuais), passa a ter um único credor, poupa em comissões e pode ver reduzida a taxa de juro média, sobretudo se tiver vários cartões de crédito.

O que acontece na prática é que a instituição financeira à qual pede um crédito consolidado paga o valor em dívida às várias instituições nas quais tem os seus créditos atuais, permitindo-lhe depois pagar este montante com uma mensalidade mais pequena.

Por outras palavras, imagine que os seus créditos atuais têm, em média, um prazo de pagamento de 48 meses. O que vai fazer é contratar um crédito consolidado com um prazo mais alargado (por exemplo, a 84 meses). Assim, apesar de ficar a pagar o crédito durante mais tempo, também vai pagar menos por mês.

Um exemplo concreto

Antes de percebermos qual é o melhor banco para consolidar créditos, importa frisar que, além das entidades bancárias, também há um conjunto de instituições financeiras (registadas no Banco de Portugal) que lhe permitem a consolidação de créditos. Cofidis, Cetelem, Unibanco, Younited Credit são algumas delas.

Há bancos que permitem incluir na consolidação o crédito habitação. Instituições como a Cofidis, por exemplo, permitem apenas consolidar créditos entre 5.000€ e 50.000€. Ou seja, esta tipologia de crédito é, na grande maioria das vezes, indicada para quem tem diversos empréstimos a curto prazo como é o caso de crédito auto, cartões de crédito, crédito pessoal.

Simulemos, então, uma proposta de crédito consolidado na Cofidis. Atualmente, a sua despesa mensal com créditos é a seguinte:

  • Crédito automóvel: 250€
  • Crédito pessoal: 200€
  • Cartões de crédito: 150€

Total das mensalidades: 600€.
Montante total em dívida: 20.000€.

Partindo do princípio que estes créditos têm, em média, um prazo de pagamento de 48 meses, ao agregar estes créditos num só ficará a pagar uma mensalidade menor, mas por um período mais longo (por exemplo, a 84 meses).

Ao optar pelo crédito consolidado da Cofidis, passaria, então, a pagar uma única mensalidade de 350,41€ (TAN 11,63% e TAEG 13,3%). Ou seja, face aos 600€ iniciais, trata-se de uma redução de 249,59€ por mês. Neste caso, a consolidação de créditos reduziria em 58,4% o valor mensal do seu orçamento destinado aos créditos.

E qual o melhor banco para consolidar créditos?

Para determinar qual o melhor banco para consolidar créditos, fizemos um levantamento de algumas opções disponíveis no mercado. Verificamos que para o tal montante de 20 mil euros, com taxa fixa e com um prazo de pagamento de 84 meses, as condições de alguns dos principais bancos são as seguintes:

BancoValor do créditoTAEG (em maio de 2019)Prestação mensalPrazo de pagamentoMTIC
BPI20.000€12,2%318.23€84 meses26.731,17€
Santander Totta20.000€12,7%304,25€84 meses25.557,01€
Montepio20.000€12,3%320,65€84 meses26.934,92€
CGD20.000€10,1%303,42€84 meses25.487,53€
Millenium BCP20.000€12,1%304,34€84 meses25.564,73€
Novo Banco20.000€9,1%299,30€84 meses25.141,05€

Se compararmos os valores associados a cada crédito, rapidamente percebemos qual o melhor banco para consolidar créditos: o Novo Banco, pois reúne as condições ideais em três indicadores fundamentais: a prestação mensal, a TAEG e o MTIC mais baixos. A ocupar os restantes lugares do pódio temos a Caixa Geral de Depósitos e o Millenium BCP.

Em relação aos 600€ que paga atualmente de créditos – e pondo em hipótese que recorreria ao crédito consolidado no Novo Banco – pouparia todos os meses 300,70€.

Por esta razão perguntamos, porque é que há-de estar a suportar despesas com vários créditos individuais, se pode aliviar o seu orçamento mensal?

Todos os meses, analisamos as ofertas das várias instituições de crédito e revelamos qual o melhor crédito consolidado do momento. Confira a nossa análise.

Só tem dívidas com cartões de crédito?

Há ainda outra forma de ficar a pagar menos por mês ao recorrer à consolidação de créditos. Imagine que tem três cartões de crédito com TAEG’s médias de 18%. Ao juntar os créditos irá pagar uma taxa inferior a esse valor, permitindo-lhe poupar mais dinheiro ao final do mês.

analisar empréstimos

Quais os fatores a considerar para escolher o melhor banco para consolidar créditos?

Na altura de recorrer a um crédito consolidado (ou a qualquer outro tipo de crédito), a prestação mensal mais baixa não é o indicador a ter em consideração para avaliar se se trata de um crédito barato. Não representa, de todo, o custo do crédito, até porque uma prestação baixa pode significar um montante total imputado ao consumidor (MTIC) bastante elevado (não caia nessa armadilha).

Importa frisar que os cuidados a ter num processo de crédito não se limitam à comparação das taxas de juro. Precisa de conhecer todos os custos que costumam estar associados, nomeadamente comissões de análise, comissões de gestão e eventuais seguros que possam ser exigidos.

Assim sendo, tenha sempre especial atenção aos seguintes parâmetros.

1. Taxas de juro e custo total do crédito: TAEG e MTIC

Tenha especial atenção à TAEG e MTIC das várias opções que estão ao seu dispor. Como referimos anteriormente, precisa de agregar os créditos, mas também precisa de se concentrar em encontrar o crédito consolidado mais barato.

A este respeito, é importante que saiba que para conhecer efetivamente o custo do empréstimo, as entidades bancárias têm de lhe apresentar:

a) Taxa Anual Nominal (TAN): representa o custo associado aos juros do empréstimo;

b) Taxa Anual Efetiva Global (TAEG): esta taxa engloba a TAN e todos os encargos associados ao empréstimo, sendo que varia de instituição para instituição. Portanto, é essencial que identifique a mais vantajosa do mercado para o valor que irá contratar;

c) Montante Total Imputado ao Consumidor (MTIC): que corresponde ao valor global que pagará pelo crédito. Isto é, a soma do montante do empréstimo e dos custos com juros, comissões, impostos, seguros e outros encargos.

2. Prazo de pagamento

Opte, na medida do possível, por um prazo de pagamento não muito longo. Apesar de essa ser uma das premissas do crédito consolidado, é importante que escolha com bom senso este número. Recorde-se que quanto mais depressa conseguir pagar o empréstimo, menor será o custo total do mesmo.

Como pedir um crédito consolidado?

Antes de pensar em juntar créditos, verifique se está em condições de preencher os requisitos do crédito consolidado. Depois disso, o processo é o seguinte:

1. A primeira coisa a fazer é aceder ao site do Banco de Portugal e, com os seus dados de acesso ao Portal das Finanças, consultar o seu Mapa de Responsabilidades de Crédito.

2. Neste mapa encontrará a informação detalhada sobre todos os créditos em seu nome, o valor que falta liquidar e as respectivas datas de liquidação.

3. Depois de saber o valor total dos seus créditos, faça o máximo de simulações possível.

4. Preencha todos os dados no simulador de crédito – valor, prazo e características do crédito consolidado. De seguida, submeta o seu pedido de contacto. Se preferir, pode tratar do processo pessoalmente com o seu gestor de conta (isto no caso de preferir recorrer a uma entidade bancária para contratar o crédito consolidado).

Quais os documentos necessários?

Para dar início ao seu processo de consolidação de créditos, precisará dos seguintes documentos:

  • Documento de identificação;
  • Comprovativo de morada;
  • Comprovativo IBAN nominativo de um dos titulares do contrato;
  • Os 3 últimos recibos de vencimento/ Comprovativo de pensão;
  • Última declaração IRS;
  • Nota de liquidação do IRS;
  • Mapa de Responsabilidades do Banco de Portugal.

Etapas para a aprovação do crédito

As etapas para a aprovação de um crédito consolidado são, por norma, as seguintes:

  1. Recolha e análise de toda a documentação relevante;
  2. Preparação do processo;
  3. Negociação para tentar obter a melhor taxa de juro possível;
  4. Aprovação por parte de um novo credor;
  5. Liquidação dos créditos antigos e constituição do novo crédito.

As vantagens e desvantagens de consolidar créditos

Como temos vindo a analisar, existem inúmeras vantagens associadas a esta solução financeira, principalmente se paga um valor elevado pelos seus créditos todos os meses.

Em termos gerais, as principais vantagens de consolidar créditos são:

  • Passar a pagar apenas uma mensalidade;
  • Poder reduzir as prestações até 60%;
  • Pagar tudo a uma única entidade bancária;
  • Reduzir a taxa de juro (pois paga apenas um crédito e uma única taxa);
  • Acesso a mais financiamento;
  • Melhorar a gestão das suas finanças pessoais (pois passa a pagar um valor bastante mais baixo mensalmente).

E quais são as desvantagens da consolidação?

  • Aumento do prazo de pagamento: apesar das prestações serem mais baixas, o prazo de pagamento do crédito consolidado é normalmente superior. Não quer dizer que no fim vai pagar mais por este tipo de crédito, até porque as taxas de juro são mais baixas, no entanto, é comum prolongar-se o prazo;
  • Acesso restrito: se o seu nome constar na lista negra do Banco de Portugal, será difícil ver o seu crédito consolidado aprovado.

Crédito consolidado com o nome no Banco de Portugal? É possível?

Determinamos qual o melhor banco para consolidar créditos, mas é importante que também saiba que se tiver o seu nome comprometido na chamada “lista negra”, então não terá muitas hipóteses de ver o seu crédito aprovado junto de uma entidade bancária.

Aliás, de forma bem clara: não é possível recorrer ao crédito consolidado se já se encontra numa situação de incumprimento, ou seja, se já tem prestações em atraso.

Se esta for a sua situação, é necessário encontrar outras alternativas para não ter que pedir mais financiamento – solução só possível junto de uma agência de crédito ou a particulares.

Dicas importantes

Depois de escolher qual o melhor banco para consolidar créditos, no momento de contratar um crédito consolidado, é-lhe dada a possibilidade de obter um financiamento extra. Tenha especial cuidado com esta questão, pois se por um lado o acesso a mais financiamento é uma das vantagens do crédito consolidado, por outro é também uma forma de cair em tentação e aumentar o seu endividamento.

Além disso, e uma vez que a consolidação lhe permite criar uma folga no seu orçamento mensal, esta margem terá de ser bem gerida e não utilizada para despesas desnecessárias. Pense, por exemplo, em criar uma poupança para, a longo prazo, ir amortizando o crédito.

Queremos com isto dizer que, apesar de ter encontrado uma forma de ter mais dinheiro com os mesmos rendimentos, isso não significa que pode deixar de ser disciplinado com o seu orçamento mensal. O objetivo passa por ter uma vida mais confortável, mas sem que isso signifique o descontrolo do seu equilíbrio financeiro.

Se não tiver um mau historial de crédito, tente negociar as taxas de juro. Isto é, se não é um cliente de risco, este perfil funciona como uma vantagem na hora de negociar as condições de crédito, uma vez que valoriza a sua posição nas negociações – o que pode significar menores taxas de juro e condições de crédito mais competitivas.

Artigos relacionados

Se tiver alguma dúvida ou questão, fale connosco pelo Messenger
Viviane Soares
Viviane Soares é redatora e editora, com mais de três anos de experiência na escrita de artigos de finanças pessoais. No Portal do Crédito, tem como principal objetivo disponibilizar a melhor informação sobre financiamento, de forma prática e acessível.