VoltarTodos os artigos
João Fins
Revisto por João Fins
João Fins

Licenciado em Economia e com experiência em finanças pessoais. Como redator no Portal do Crédito, tenho a missão de ajudar esclarecer as dúvidas mais comuns dos nossos leitores, no que aos diferentes tipos de crédito diz respeito.

Crédito Pessoal 240 Meses: É Possível Obter?

Os portugueses tendem a contratar créditos pessoais com prazos de pagamento alargados para conseguirem obter financiamento a mensalidades reduzidas.

Assim entra a questão que nos traz aqui hoje: Existe um crédito pessoal 240 meses? Será esta a melhor forma de obter financiamento?

Neste artigo vamos explicar se é possível obter crédito 240 meses, quais são os problemas gerados por esta solução e quais são as melhores alternativas para se conseguir um crédito com pouco impacto no seu orçamento familiar.


Portal Do Crédito

Consiga o Melhor Crédito!

Avaliação Grátis 100% Online Sem Compromisso

RECOMENDADO

SIMULAR JÁ

SIMULAR JÁ

Atualmente, devido a restrições implementadas pelo Banco de Portugal, obter um crédito pessoal 240 meses em Portugal é algo impossível independentemente da entidade financeira.

Portugal é um país caracterizado por um alto nível de endividamento dos particulares e por uma taxa de poupança baixa comparadamente com a média praticada pela União Europeia.

Sabias Que:

Segundo um relatório do Eurostat, a taxa de poupança das famílias portuguesas em 2022 foi somente de 6%. Um valor muito abaixo da média da Zona Euro que foi de 13,9%.

Estes fatores, aliados a um baixo poder de compra, fazem com que os portugueses tendam a procurar mais créditos ao consumo com prazos mais alargados para suportar os seus encargos mensais.

Quanto mais alargados forem os prazos de pagamento, menor será a mensalidade, mas maior será o endividamento gerado.

Para compreender melhor, vamos a um exemplo do custo de um crédito pessoal de 10.000 € com uma taxa de juro de 11,2% para várias maturidades:

Prazo de Pagamento Mensalidades MTIC
240 Meses 99,17 € 23.976,12 €
120 meses 134,38 € 16.301,08 €
84 Meses 168,09 € 14.295,22 €
60 Meses 214,44 € 13.042,64 €
48 Meses 255,55 € 12.442,45 €
Exemplo ilustrativo

Como pode observar, um aumento do prazo de pagamento de 84 meses para 240 meses faria com que o endividamento do empréstimo passa-se de 14.295,22 € para 23.976,12 €.

Ou seja, se fosse permitido obter um crédito pessoal 240 meses o consumidor teria de pagar mais em juros do que pelo financiamento em si.


Portal Do Crédito

Consiga o Melhor Crédito!

Avaliação Grátis 100% Online Sem Compromisso

RECOMENDADO

SIMULAR JÁ

SIMULAR JÁ

Portal Do Crédito

A normativa aplicada pelo Banco de Portugal a 1 de abril de 2020 define que um crédito pessoal pode somente ter 84 meses de maturidade máxima para os financiamentos sem finalidade.

No entanto, para certas finalidades como Educação, Energias Renováveis e Saúde, o cliente poderá ainda pedir um crédito pessoal 120 meses.

Sabias Que:

Segundo o Banco de Portugal, em 2021, o prazo de pagamento médio de um crédito pessoal foi de 56,4 meses.

Maturidades máximas que as entidades estão legalmente obrigadas a seguir:

  • Crédito Automóvel: 120 meses;
  • Crédito Consolidado: 84 meses;
  • Crédito Pessoal Para Obras e Férias: 84 meses;
  • Crédito Pessoal Sem Finalidade: 84 meses;
  • Crédito Pessoal Para Educação, Saúde e Energias Renováveis: 120 meses;
  • Crédito Hipotecário: maturidade máxima de 40 anos para pessoas com idade igual ou inferior a 30 anos, 37 anos para pessoas com idade compreendida entre 30 e 35 anos e 35 anos para pessoas com mais de 35 anos de idade.

Deste modo, a única forma de obter um crédito pessoal 240 meses é mediante um crédito hipotecário.

Mas será esta melhor alternativa?


Portal Do Crédito

Consiga o Melhor Crédito!

Avaliação Grátis 100% Online Sem Compromisso

RECOMENDADO

SIMULAR JÁ

SIMULAR JÁ

Apesar de não ser possível obter financiamento através de um crédito pessoal 240 meses, a verdade é que no mercado existem outras alternativas que permitem obter um empréstimo com baixas mensalidades.

A alternativa direta é solicitar um crédito consolidado. Este é um produto financeiro que deixa o consumidor juntar as suas dívidas num único contrato e alargar os prazos de pagamento para baixar os seus encargos mensais.

Se envolver uma hipoteca como garantia os prazos de pagamento podem chegar até 480 meses (40 anos) – crédito consolidado com hipoteca.

Por exemplo, imagine que tem uma dívida de 15.000 € distribuídos por um crédito automóvel e um cartão de crédito que mensalmente lhe custam cerca de 500 €.

Crédito Mensalidade Contratos MTIC
Antes de Uma Consolidação 500 € 2 15.000,00 €
Depois de Uma Consolidação 296,23 € 1 21.592,56 €

Com uma consolidação a 72 meses (6 anos) o consumidor consegue (aumentando a dívida) reduzir os seus encargos mensais para quase metade.

Uma redução que pode ser muito bem-vinda para o controlo do orçamento familiar.

Além de juntar créditos o consumidor pode pedir um financiamento extra.

Se pedir um financiamento extra, este será alocado ao novo contrato. Mesmo assim, alargando o prazo de pagamento poderá obter este dinheiro e ainda reduzir os encargos mensais.

Imagine que, para o mesmo exemplo, é solicitado um financiamento extra de 10.000 €. Quanto ficará a pagar com a consolidação?

Crédito Mensalidade Contratos MIC
Antes de Uma Consolidação 500 € 2 15.000 €
Depois de Uma Consolidação 493,71 € 1 35.987,12 €

Para o mesmo prazo de pagamento de 72 meses, o cliente consegue reduzir a mensalidade e ainda obter um financiamento extra de 10.000 €.

Ou seja, sem solicitar um crédito pessoal 240 meses o consumidor poderá obter o financiamento que precisa e ainda reduzir a sua mensalidade.

O único problema é o facto do endividamento subir de forma considerável.

Pretende saber mais sobre como consolidar créditos num único contrato? Leia o nosso artigo e saiba como funciona esta solução.

Este é um produto financeiro mais específico, mas poderá ser útil para pessoas que procurem obter um crédito habitação mais um financiamento extra para pagar a escritura, fazer obras em casa ou decorar o imóvel.

Esta opção de financiamento está disponível na maioria dos bancos portugueses e permite que o financiamento extra tenha taxas de juro mais simpáticas.

É assim uma alternativa possível a um crédito pessoal 240 meses.


Portal Do Crédito

Baixe as Suas Prestações!

Poupe até 60% Mensalidade Única Sem Compromissos

RECOMENDADO

SIMULAR JÁ

SIMULAR JÁ

Pedir um crédito pessoal 240 meses é algo que não é viável em Portugal.

Além de não ser permitido, como podemos ver pelos exemplos, o custo total de um crédito com prazos de pagamento tão alargados representa um endividamento demasiado elevado.

Se fosse possível obter um crédito pessoal 240 meses, o consumidor iria pagar mais em juros do que pelo montante solicitado.

Por isso, é normal que como salvaguarda o Banco de Portugal tenha limitado este tipo de empréstimo a 84 ou 120 meses.

No entanto, existem outras formas de se conseguir financiamento sem que a mensalidade seja demasiado alta para o orçamento familiar.

Falamos da possibilidade de pedir um crédito consolidado no caso de já ter outro(s) crédito(s), ou então um crédito multifunções se pretender obter financiamento extra no momento de comprar casa.

Perguntas e Respostas

Posso pedir um crédito pessoal 240 meses?

Não é possível obter um crédito pessoal 240 meses. Em Portugal os créditos pessoais sem finalidade estão limitados a prazos de pagamento de 84 meses (7 anos). Em algumas finalidades como educação, saúde e energias é, contudo, possível chegar aos 120 meses de maturidade máxima.

Quais as principais alternativas ao crédito pessoal 240 meses?

Para obter financiamento sem uma mensalidade demasiado elevada o consumidor, se tiver pelo menos um crédito, poderá solicitar uma consolidação com financiamento extra. Em troca de um prazo de pagamento maior, consegue obter mais dinheiro e reduzir os encargos mensais.

Caso o objetivo do dinheiro seja para fazer obras numa nova casa ou pagar a escritura da mesma, o consumidor poderá solicitar um crédito multifunções – aloca o crédito habitação a um segundo financiamento.